Apenas um corpo de luz

Senhor, no silêncio desta prece, venho pedir te a paz, a sabedoria , e a força.
Quero sempre olhar o mundo, com olhos cheio de amor. Quero ser paciente, compreensivo e prudente. Quero ver além das aparências, teus filhos, como vós mesmo os vê, e assim Senhor ver somente o bem, em cada um deles. Fecha meus ouvidos a todas as calúnias. Guarda minha língua de todas as maldades, para que só de bênçãos se encha meu coração. Que eu seja tão bom e alegre, que todos aqueles que se aproximarem de mim, sintam a Tua Presença. Reveste-me de tua bondade Senhor, para que no decorrer deste dia, eu te revele a todos. Que assim seja! AMÉM.

***A QUEDA DE UM MEDIUM!!!***


Corpo de Luz - Erick

PSICOGRAFIA:



Tudo começou no relato de Pedro, um sacerdote de 63 anos com 40 anos 
de trabalhos espirituais aqui na terra.


Como encarnado, sempre com seus desafios, mas tudo estava indo bem em sua vida. Possuía uma bela casa espiritual com muitos filhos médiuns durante os trabalhos de caridade. Ele era muito querido pelos filhos e por todas as pessoas assistidas em seu templo.

Um dia, recebeu a noticia de que seu filho único tinha sofrido um acidente de carro e estaria entre a vida e morte num hospital. Passaram-se aproximadamente 30 dias tudo se normalizou; seu filho já estava fora de perigo e recuperava-se muito bem.


Como de costume, nos dias determinados, aconteciam os trabalhos espirituais em seu templo com as entidades e tudo mais, sempre em harmonia. Era grande a corrente de médiuns, por volta de 23 pessoas ao todo. Num desses dias, conforme de costume, após o atendimento de muitas pessoas pelas entidades, quando do encerramento das atividades, apareceu um senhor muito bem trajado e distinto e dirigindo-se a uma filha de santo perguntou-lhe : Seria possível conversar com o dirigente desta casa ?
Ela pediu-lhe um momento e dirigiu-se ao sacerdote, seu pai, e disse-lhe que havia um senhor que desejava conversar falar-lhe.

Pedro então dirigiu seu olhar para o senhor que se encontrava na sala de assistência já quase vazia e, no mesmo instante, sentiu um leve dor de cabeça, daquelas que não se sabe de onde vem e que se passa num instante. Após alguns instantes, pediu a sua filha que chamasse o senhor pois ele o atenderia. O senhor se aproximou, sentou-se e disse:
-- Senhor, sofro de uma grave doença e gostaria de se ver livre dela; sei que o senhor pode me curar.

O sacerdote, por ter uma mediunidade muita aguçada, ouviu uma voz dizer-lhe:
-- Pode aceitar, eu posso ajudar-te a curar esse homem com todo o êxito.

Mas o sacerdote ficou calado.

 

O homem então falou novamente:
--Se o senhor me curar, dar-lhe-ei R$ 100.000,00(cem mil reais) pois sei que tem despesas e outras obrigações a serem cumpridas nesta casa santa. Sei que só pratica a caridade, contudo, se me curar, lhe darei o dinheiro pois tenho mais do que essa quantia e faço questão de presentear-te em agradecimento pela minha cura.

Pela descrição, Pedro constatou que o senhor estava acometido de gravíssima doença e com ela o seu causador, ficando bastante espantado com tudo que estava acontecendo e com aquele “bichinho” da dúvida em sua cabeça.

O senhor propôs ao sacerdote que, caso ele aceitasse a missão, que lhe daria a metade da quantia e que a outra metade lhe seria dado quando da certeza de sua cura.

Disse-lhe o Sacerdote então:
-- Venha na próxima gira quando então vou pensar em seu caso e verificar se poderei atender, com sucesso, ao que pedes.

Durante a semana Pedro ficou meditando sobre este trabalho, ma sempre em seu intimo, sempre ouvia:
--Nós podemos curá-lo... só depende de você.

Pensava também em seu filho internado, sua nora e netos, despesas durante a recuperação dele, pagamento pelo estrago que seu filho ocasionou a vítima quando do acidente, despesas para com a família, dividas se acumulando, e sua baixa aposentadoria que mal dá para cumprir todos os seus compromissos...
Os dias se passando e o pensamento do quanto aquele dinheiro o ajudaria em seus problemas e por outro lado, o conflito interno... Ele nunca havia cobrado para curar alguém. E sempre aquela voz sempre dizendo :
-- Você pode... Você ja curou muita gente sem nada receber, talvez esta seja esta a oportunidade batendo à sua porta para resolver os seus problemas e seus sonhos...

E em seu pensamento: -- Poxa com esse dinheiro, pagaria todas as contas de meu filho... , poderia comprar um carro e realizar o meu sonho de comprar uma casinha na praia, seria tão bom... Mas será que devo? Sei lá, não é certo... Essa voz que fala comigo, deve ser meu guia de frente, é tão nítida...
-- Vou jogar os

 

búzios só para ter certeza... E veio novamente a voz ...
-- Você já trabalha comigo há tanto tempo, para que jogar se já te falei tudo... Disse a você que eu te ajudo a curar...

Chegado o dia dos trabalhos o homem lá estava sentado na assistência muito bem vestido e elegante, porém, com uma aparência um pouco pálida, como que se carregasse uma doença.

Tudo transcorria bem durante os trabalhos, sem quaisquer problemas aparentes, quando um dos filhos sentiu-se mal e teve que ser socorrido pelas entidades. Foi feita a devida limpeza e tudo terminou. Enquanto isso, uma filha perguntou ao pai: -- Nossa pai, que estranho.... Muito esquisito... do nada vem essa entidade trevosa quando tudo estava indo tão bem... O pai responde : -- Sim, mas agora está tudo bem; ela já foi encaminhada e todos estão bem certo...

Enquanto isso, o Sacerdote pede a filha que chame aquele senhor para conversar comigo e pede para não ser importunado. Este carregando uma sacola de couro, sentou-se e disse : -- Então, o senhor aceita curar-me ? Posso contar com o senhor? Ficarei muitíssimo grato e irei lhe recompensarei por esse ato de amor.
O sacerdote, ficou ali parado por um instante, como se estivesse meditando sobre o assunto e disse-lhe: -- Está bem meu filho eu farei o que me pede, vou te curar, mas tem certeza que pode se desfazer dessa quantia, sem lhe trazer prejuízo? Este lhe respondeu: --Eu lhe disse que tinha muito mais do valor oferecido...E mais uma vez o sacerdote sentiu aquela leve dor de cabeça, mais passou rápido; o homem estava irradiante de alegria, e entregou-lhe o prometido dizendo: -- Senhor, cuidado é muito dinheiro, disse baixinho .
Mais uma vez Pedro ouviu a voz dizendo: -- Viu não foi tão difícil e você prestará um grande beneficio a essa pessoa. Peça para ele se retirar e voltar tal dia para os preparativos de sua cura.

 

 

O sacerdote no decorrer dos dias que se passava, ouviu a voz a lhe dizer: -- Eu te ajudarei com aquele homem, mas em troca, irás me prometer que nunca faltará nada para mim, aguardente, charuto, cigarro e comida. E pode deixar lá na casinha onde você acende as velas pretas, combinado?
Pedro sentiu um mal estar mas concordou. Estava feliz por dentro pois achava que sua vida iria mudar com todo aquele dinheiro e tudo o mais.

Chegado o dia, o senhor apareceu e Pedro avisa a todos que estaria muito ocupado e que não atenderia a ninguém, até mesmo os filhos da sua casa. Tudo correu muito bem. Foi feito um banho de limpeza e solicitado pelo suposto guia do sacerdote, as comidas e tudo que a entidade solicitou.
O senhor saiu com outro aspecto, feliz e radiante de alegria dizendo : -- Daqui há três dias devo passar pelo médico para fazer exames e marcar a operação e espero ter uma grande surpresa.

Passados alguns dias, chegando a um Dia de Trabalho, por volta de 5 horas antes do inicio , o sacerdote recebe um telefonema inesperado de uma de suas filhas dizendo que não poderia comparecer por motivo de doença. Compreendeu, desejou-lhe melhoras e continuou com seus preparativos. Alguns minutos depois, mais um telefonema de outro irmão de trabalho que também está passando mal e assim sucessivamente. Foi assim com aproximadamente doze pessoas, filhos da casa. O sacerdote achou o episódio muito estranho mas mesmo assim continuou com os preparativos e os trabalhos deram andamento com apenas 8 dos 23 médiuns. A quantidade de pessoas procurando por assistência também era menor.

O senhor distinto que recebeu a cura lá estava com um feliz semblante. Os trabalhos iniciaram mas sentia-se uma energia pesada no ar; médiuns que não conseguiam incorporar, alguns cambaleavam, não havia harmonia no ambiente... Mesmo assim, os trabalhos foram realizados mas não com a habitual harmonia como de outros dias. Após o encerramento, enquanto todos já se preparavam para sair, o senhor distinto pede para conversar com o chefe da

casa e com uma enorme felicidade no rosto diz : -- Senhor, Senhor, estou curado... O médico avaliou meus exames e ficou pasmo ... Os exames demonstraram que minha doença havia desaparecido inexplicavelmente... Ele não sabia o que dizer... Foi impressionante ... Hoje estou aqui diante de ti curado e muito feliz e gozo de muito boa saúde ... Agradeço muito pelo que o senhor fez por mim, e aqui está, como prometi, o restante do dinheiro, que por sinal, para mim muito bem usado.
-- Fico contente que pude lhe ajudar, que nosso Pai Oxalá abençoe a nós todos e que sempre nos ajude a sermos úteis como eu fui para com o senhor.

Decorridos alguns dias, o sacerdote com todo aquele dinheiro, esta muito feliz e cheio de planos. Resolveu que naquela semana não haveria trabalhos. Avisou a seus filhos e deixou um comunicado na porta: "Hoje não haverá trabalhos".

Foi visitar seu filho, já em casa se recuperando, e contou-lhe que foi procurado por senhor pedindo ajuda para a cura de sua doença e em troca lhe ofereceu muito dinheiro. Disse que com o dinheiro, pagará as contas, o prejuízo da vítima e que ele não precisaria preocupar-se com nada. Disse também que durante o período em que esteve internado, nada faltou a sua família.

O filho disse então ao pai : -- Meu amado pai, será que fizestes bem em aceitar o dinheiro desse homem ? Eu lhe conheço há tanto tempo e nunca o vi cobrar um centavo de quem quer que seja para orientar ou curar uma pessoa... Será que fez o certo , meu pai ?

Responde Pedro: -- Realmente filho, em meus trabalhos na casa, jamais cobrei de ninguém que tivesse me procurado, mas meu guia estava presente e eu não pedi nada e nem exigi qualquer pagamento, foi o senhor que se ofereceu, e não senti nada de mal nisso, talvez um mal estar ou uma dor de cabeça as vezes, mais correu tudo bem, o homem recebeu a cura de minha entidade que esta sempre comigo; e agora tudo caminha bem.

-- Bem meu pai, se é o que pensa, por mim tudo bem. Agradeço de coração por tudo que tem feito por mim e

 

 

minha família nesse momento difícil de minha vida, obrigado meu pai.
-- Fico feliz em poder lhe ajudar, veja meu filho esse dinheiro chegou em boa hora, sei que foi por uma boa razão, e uma delas foi poder lhe ajudar. Estou pensando em comprar um carro para mim, e comprar alguns móveis para sua mãe, pois os nossos estão muito velhos.

-- Meu pai o que a mamãe achou de tudo isso, a cura do homem o pagamento de tanto dinheiro e tudo o mais?

-- No inicio ela foi contra e até ensaiou discutir comigo, que onde ja se viu cobrar para curar uma pessoa, em muitos anos em minha companhia, e me conhecendo, ela nunca imaginaria que eu aceitaria, pois me disse que o meu dom mediúnico, não tinha vindo para isso, e sim para fazer a caridade. Ela ficou chateada por alguns dias, mais depois me disse que já tenho idade e conhecimento suficiente para saber o que estou fazendo; mas toda vez que tocávamos nesse assunto, sentia um mal estar e uma intuição de que alguma coisa não estava certo.

-- Meu pai, agora conversando sobre tudo isso eu tambem sinto, uma coisa sei lá, é como se fosse um mal estar, uma sensação, que eu não sei te dizer, mas pai , vejo que o senhor esta mais magro, um pouco pálido, o senhor esta com algum problema de doença?

-- Não meu filho, me sinto muito bem, é só impressão sua. Bem filho, vou ter que me preparar para os trabalhos de hoje, espero que você se recupere o mais rápido possivel e não se preocupe com as coisas pois irei cuidar de tudo.


-- Certo pai. agora estou pela Caixa recebendo um seguro temporário do INSS; dá para meus gastos, não precisa mais se incomodar. Caso eu precisar de alguma coisa eu lhe avisarei.

-- Está bem meu filho, mas caso precise, não deixe de me procurar, volto outro dia para lhe visitar.

Os dois se abraçaram e o pai saiu para seus afazeres.

 

Chegando em sua casa, Pedro teve uma surpresa; sua esposa havia caído na sala quando limpava, e estava deitada no sofá, com muita dor. Sua esposa chamava-se Márcia.

-- Márcia o que aconteceu?

-- Caí Pedro, limpando a sala. Foi do nada... Fui subir nessa cadeira e ao colocar o pé, de repente, caí e bati as costas e a cabeça no chão. Cheguei a ficar meio tonta mas agora estou bem, apenas com dores nas costas e a bacia dói muito. Deitei então no sofá para relaxar um pouco.

-- Vista-se pois vou levá-la ao pronto socorro. É bom ver se não deslocou nada.

-- Mas Pedro, precisamos mesmo ir? Talvez com um pouco de repouso eu melhore...

-- Não, me sentirei mais tranqüilo depois que fizer alguns exames por desencargo de consciência.

-- Está bem, se voce acha melhor, vou me trocar. Ajuda-me a levantar.

Chegando ao Pronto Socorro, o médico diagnosticou uma luxação no osso da bacia e nas costas. Receitou um anti-inflamatório para aliviar a dor e diminuir o inchaço.

Durante o trajeto para casa, os dois vieram conversando.

-- Pedro, sinto que o que ocorreu comigo foi muito estranho. Eu estava tão bem e tinha plena certeza de que meus pés estavam no centro da cadeira, como pude cair, estranho...

-- Bom Marcia, por vias das duvidas, farei a limpeza de nossa casa pois estou sentindo certas coisas mas não sei o que é. Gostaria que, nos trabalhos de hoje, você converse com minha entidade para ouvir o que ele diz.

-- Está bem Pedro, farei isso pois tudo está estranhos para mim. Minha intuição não falha nessas horas...

Chegado o horário dos Trabalhos no Centro e, apesar de não ter havido Trabalhos na semana anterior, foi de se estranhar, pois havia no Centro, apenas alguns médiuns, um total de sete; Pedro, sendo o Chefe da Casa, estranhou e comentou com um filho:

 

- O que será que aconteceu... ninguém ligou para avisar e já está em cima da hora... Bem, depois averiguaremos o motivo da ausência dos outros filhos.
Além de estranhar essas ausências, também notou que sua assistência, sempre lotada, não passava de 12 pessoas para atendimento. Tudo estava muito estranho e, como Chefe da Casa tinha sempre boa intuição.

As horas se passaram e nada se percebeu. Chega o inicio dos trabalhos. Reza-se um Pai Nosso, uma Ave Maria e a abertura normal... Na chegada das entidades, quando Pedro incorpora o seu Caboclo, puxou os demais e tudo se normalizou. Deu-se segmento aos trabalhos. O Guia da Casa, a uma certa altura, chamou Marcia , esposa de Pedro para conversar.

-- Caboclo, estou com alguns pressentimentos, muito ruins; hoje, ao subir numa cadeira para limpar a estante, não sei como, caí e machuquei as costas e a bacia. Graças a Deus, não quebrei nada. O que o Senhor acha ?

-- Filha, você vai tomar um banho de descarrego que vou preparar para voce e peça ao meu aparelho para fazer a limpeza da casa. Tudo vai dar certo.

-- Ma Caboclo... e esse dinheirão que entrou no trabalho de cura? Foi o senhor que ajudou também ?


-- Não filha, Caboclo não trabalha assim. O aparelho teve ajuda de outras fontes que irão sempre auxiliá-lo em alguns trabalhos e, com isso mudanças irão acontecer. Eu virei sempre para o auxilio das pessoas que me procuram e ajudarei nos males desse povo. Quanto ao meu aparelho, ele terá que tomar um banho de descarrego e acender uma vela branca para o seu Anjo da Guarda pedindo o equilíbrio. Repasse essas instruções para ele. Isso irá melhorar o astral da casa. É só isso que voce quer do Caboclo?

-- O senhor pode me ajudar nessa contusão?

-- Vou dar um passe e tudo irá melhorar.

Os caboclos subiram mas ficou algum fluído estranho ar... Foi puxado então a linha da esquerda para fazer a limpeza do ambiente.

 

O tempo passou e Pedro, como havia comentado com seu filho, comprou móveis novos para a casa e também trocou seu carro velho por um Zero km. Tudo corria bem na vida de Pedro.

Algumas vezes ele tinha que fazer o que havia prometido à entidade que o ajudou a enriquecer.
Como o Caboclo havia dito, algumas coisas iriam mudar e, mudou mesmo.

Daí por diante, toda vez que Pedro era procurado para ajudar pessoas com problemas espirituais e doentes, esta entidade lhe dizia, podemos ajudar mas, haverá um custo pois só trabalho com a paga. Um dia, Pedro ficou tão constrangido... Um velho amigo lhe trouxe seu problema, grave. Após expor sua situação, Pedro teve que lhe dizer que poderia, facilmente, resolver seu problema mas que haveria um custo para tal. Esse amigo arregalou os olhos e disse:

-- Nossa Pedro, eu que lhe conheço há tanto tempo, jamais ouvi falar que voce cobrasse para ajudar...
Bem, estou com esse problemas nas mãos e não sei como resolver. Pode por preço que eu pago com todo prazer.

Pedro, ouvindo a voz interior, disse ao amigo.

-- Voce me traga isso e aquilo e o dinheiro e pode contar como resolvido o seu problema.

E tudo se realizou conforme Pedro e sua suposta entidade assim determinou.

A vida de Pedro continuou bem , bem como seus projetos de comprar uma casinha na praia e curtir uma vida mais tranqüila. Também no Centro, tudo corria bem, dentro da normalidade com exceção de médiuns participantes, antes 22 e hoje 17 na corrente. A assistência também havia se normalizado, contudo, o Caboclo já havia dito há algum tempo atrás, que tudo iria mudar e mudou mesmo...

Pedro cobrava para fazer quase tudo... banhos, limpezas em geral, e demais procedimentos. Alguns médiuns até estranharam no início mas, logo aceitaram a vontade do Chefe da Casa que comandava o templo.

Pedro também continuou atendendo aos caprichos de sua suposta entidade, com tudo de bom e de melhor em questão de oferendas.

Realmente, tudo havia mudado. Pessoas que freqüentavam o Centro, já estavam cientes que ,

 

 

pagando, conseguiriam a solução de seus problemas e males. Já eram outros tipos de freqüentadores. Havia também pessoas humildes que se consultavam com os Guias na gira normal mas, quando se tratava de algum problema bastante sério, este era atendido em caráter particular, com o Chefe da Casa.

O tempo foi se passando e o filho de Pedro recuperou-se por completo voltando a freqüentar as giras. Ele estava sendo preparado para que, um dia, pudesse tocar a casa quando seu pai não mais o pudesse fazer.
Dna. Marcia, desde a época do acidente ( que foi a primeira paga), nunca mais foi a mesma. Sempre tinha um pressentimento de que alguma coisa estava errada mas, depois achava que era coisa de sua cabeça, afinal, tudo estava bem em sua casa, com seu marido Pedro e com seu filho. Era isso o que mais importava.

Já havia se passado ja um ano e Pedro, às vésperas de realizar seu sonho; o de comprar sua casa na praia. Um dia, quando parecia indo tudo muito bem, Pedro sentado no sofá da sala após o almoço, sente um grande mau estar e algumas dores nas partes baixas. Essa dor foi aumentando e, quando ele já não mais suportava, pediu ajuda à esposa:

-- Marcia, me leve ao pronto socorro... Já não aguento mais essa dor. Está muito forte... aqui em baixo, sei lá, deve ser minha bexiga... Dói tudo...


Marcia pegou o telefone e pediu por um taxi pois ela não sabia dirigir e seu filho estava viajando a trabalho.

Logo que o taxi chegou, o motorista e a Marcia ajudaram Pedro a entrar no carro, e foram para o pronto socorro. Chegando lá e sendo examinado pelo o medico, o mesmo preocupado disse a Pedro:

- Meu senhor, vou pedir alguns exames para confirmar minhas suspeitas quanto as dores que está sentido.

Pedro ficou muito preocupado. Ficou na maca aguardando os resultados dos exames e não mais sentia dores pois foi medicado assim que chegou ao Pronto Socorro.

 

 

Saindo da sala de atendimento, dona Marcia preocupada, chamou o medico:

-- Doutor, o que aconteceu com meu marido? Estava tudo tão bem e, do nada, apareceu com essa dor!

-- Bem, minha senhora, eu não quis dizer nada ao seu marido mas, tudo indica que ele esta com uma seria doença na próstata. Pedi alguns exames de sangue, urina e outros para confirmar minha suspeita ma, já vou providenciar sua internação para maiores cuidados e irei monitorar seu estado geral pessoalmente.

-- Nossa doutor, é tão sério assim? Ele não reclamou e nem sentiu nada durantes estas ultimas semanas.

-- Bem minha senhora, não sei o que dizer quanto ao mesmo não ter se queixado sobre os sintomas. Estranho ele não ter sentido algum mal estar ou dores e dificuldades ao urinar... acredito que os exames mostrarão que a doença está instalada em sua próstata. Vamos aguardar o resultado dos exames de qualquer forma.

Passados uns 3 dias , vieram os resultados e a noticia, tanto para Pedro como para a Marcia sua esposa, caiu como uma bomba. O medico conversando com os dois disse:
-- Existe um tumor maligno na próstata e esta se alastrando rapidamente já atingindo outros orgãos importantes . Iniciaremos imediatamente com sessões de quimioterapia para tentar controlar e conter o avanço da doença. Com licença, os deixarei a sós para que conversem a respeito.

Pedro ficou muito abatido com a noticia e chorava copiosamente diante daquela situação tão repentina, Marcia também chorava, vendo seu marido numa situação tão grave... um tumor... e ainda por cima maligno. Marcia segurou a mão de Pedro e carinhosamente ficou confortando-o com palavras de fé e esperança.

-- Meu amado, confie em nosso Pai Oxala, ele há de tirar voce dessa doença, pois sempre foi muito bom para as pessoas, curando-as e orientando-as, Deus há de nos ser misericordioso.

 

 

-- Minha amada esposa, nesses dias em que estive internado, tive relâmpagos em meus pensamentos. Tudo isso foi causado por mim mesmo, algo que fiz ocasionou isso, mas ainda não sei o que. Talvez seja apenas preocupação e medo de enfrentar o que poderia vir.

Marcia comovida, disse:

-- Estarei aqui, sempre do seu lado, para lhe dar forças nessas horas difíceis. Meu amado, vou ligar para nosso filho pois ele não para de telefonar pois está muito preocupado com voce.

-- Faça isso e peça para que venha. Preciso que ele me de forças nesse momento difícil de minha vida.

Passado algumas horas chega seu filho amado que tem o nome de Eduardo.

-- Olá mamãe, porque está aqui no corredor chorando... o que aconteceu ?

-- Meu filho, seu pai contraiu uma doença muito grave. Foi tão de repente e é muito grave. Seu pai esta com câncer na próstata e terá que fazer sessões de quimioterapia para tentar inibir a doença. Diz o médico que irá começar o mais rápido possível.

-- Nossa mãe! Como pode acontecer isso! Ele não deu nenhum sinal de qualquer doença e ainda tinha planos de comprar a casa na praia. Meu Deus é difícil de acreditar...

Eduardo entra no quarto:

-- Ola pai, mamãe já me contou tudo e ainda estou pasmo.

-- Me filho, obrigado por estar aqui. Tentarei ser forte e gostaria que também o seja. Minha doença é poderosa mas, para Deus nada é impossível. Tenho muita fé e ei de vencer essa prova tão difícil em minha vida nesse momento.


-- Pai, não tenho palavras para expressar meus sentimentos. Sinto apenas uma enorme vontade de chorar. Tudo que eu puder fazer pelo senhor , eu o farei.

 

-- Meu filho, gostaria que consolasse sua mãe nesse momento e fique a frente de tudo em nossa casa e também no Centro. Faria isso por mim?

-- Com toda certeza pai. Não se preocupe com nada, assim o farei com muito amor.

-- Filho, venha cá, dê-me um abraço apertado. Quero lhe dizer o quanto te amo e admiro. Você é um filho maravilhoso, responsável, trabalhador e tem uma bela família. Se eu faltar, sei que poderei contar com você para tomar conta de sua mãe e de tudo que for preciso.

-- Meu pai já te disse, não se preocupe agora com isso. Farei tudo e tomarei conta de tudo até a sua melhora pois eu tenho muita fé. Rezarei junto com nossos irmãos, no Centro , para sua melhora.Vai dar tudo certo.

Essa conversa se deu numa terça-feira. No dia seguinte , à tarde, deram início aos medicamentos, por sinal muito fortes para eliminar o câncer.

Após cada sessão, Pedro sentia-se muito mal. Reclamava com a esposa do desconforto que o remédio causava. Um tremendo mau estar em todo o corpo. Esta por sua vez o consolava dando-lhe forças com palavras de carinho e amor ao lado de seu leito.

Como o quadro de Pedro era bastante grave, os médicos autorizaram algumas visitas extras. Filhos e filhas de Santo vieram para visitá-lo, dando-lhe estímulo, palavras de coragem e fé para vencer a doença.

Pedro recebeu a todos com muito carinho, ficando muito feliz em ver os filhos da Casa se revezando, por alguns momentos em seu quarto, pois haviam muitos para visitá-lo. Todos puderam levar seu ombro amigo e palavras de consolo.

Passados mais dois dias, Pedro piora e é levado para a UTI onde é entubado. Seu quadro exigia maiores cuidados. Em alguns momentos ele ouvia uma voz:

-- Coragem amigo, logo voce ficara livre dessa dor e sofrimento. Quero apenas lembrar-te que temos um trato. Como lhe disse, voce ficará livre porque prometeu sempre me servir. Não te preocupas, eu irei lembrá-lo sempre.

 

Mas também ele ouvia uma outra voz vinda de muito longe e sem muita nitidez :

-- Calma meu irmão, não dê ouvidos a este chamado. Tente recuperar-se e estaremos sempre ao seu lado.

Mas ele não conseguia ouvir muito bem e mal entendia os conselhos desses irmãos que tentavam ajudá-lo.

A outra voz era muito nítida em sua mente, sempre cobrando a sua promessa.

Mais dois dias se passam, na UTI, e Pedro sofre uma parada cardiorrespiratória. Os médicos correm para reanimá-lo mas infelizmente sem sucesso. Ele entra em óbito.


Durante os procedimentos de reanimação, Pedro assiste a tudo ao lado de seu corpo gritando:

-- Estou vivo, olhem para mim, estou aqui!


Ele vê então uma senhora entrar na sala trazendo em suas mãos um lençol, cobrindo-lhe o corpo.
Pedro ainda permaneceu ao lado do corpo ouvindo o medico responsável conversando num canto da sala dizendo que iria se preparar para dar a notícia à família que encontrava-se no corredor.


 

Noticia para sua família que esta esperando La no corredor, um medico então pergunta quem esta La da família no corredor, se encontra, a esposa e o filho, o medico sai da sala e se dirige ao corredor, e encontra a esposa, e diz, minha senhora seu marido entrou em parada cardiorrespiratória, fizemos de tudo para revive-lo mais o perdemos e ele acaba de entrar em óbito, sinto muito; Márcia em prantos não conseguia parar de chorar, e logo chega seu filho que tinha saindo por alguns instante, e vendo sua mãe em prantos, ja percebeu que alguma coisa de muito ruim havia acontecido com seu pai; Filho seja forte seu pai acaba de falecer, ele entrou em parada cardiorrespiratória, os médicos tentou de tudo, mais não conseguiu trazê-lo de volta, o filho chora e sofre a perda do pai,ele querido por ele; Passou algum tempo quase chegando o final da tarde o corpo ja estava liberado para a família, Eduardo o filho sai para fazer os procedimentos legais do enterro, e remoção do corpo para a capela do cemitério onde a o jazida da família.

 

Enquanto isso o corpo de Pedro já tinha sido removido da sala de UTI, e se encontrava num lugar para embarque, Pedro não saiu do lado do seu corpo, hora ele escutava a voz cobrando e consolando o, hora chorava vendo seu corpo, ali, e nada podia fazer, tinha momentos que ele entendia o que estava acontecendo, e tinha momentos que ficava totalmente confuso e passou a maior parte nessa confusão mental; Chegou o caixão e ele a li assistindo tudo sem poder fazer nada, foi tudo arrumado, e seu corpo levado para a capela do cemitério onde seria velado, colocado o caixão em seu devido lugar, La se encontrava, familiares, amigos, as filhas e filhos de santo e simpatizante de sua pessoa; Pedro assistia tudo, sua esposa chorando, filho, a esposa do filho os netos, amigos e amigas com caras tristes outras chorando, e ele ali sem poder fazer nada triste e choroso tambem; Em alguns momentos ele ouvia dizer, nossa seu Pedro era uma pessoa tão boa e acontece essa calamidade, estou muito triste ele vai fazer falta.

Em outros lugares do velório, ele ouvia falar, é meu amigo Paulo o Pedro nesses tempos, mudou muito e não era mais o mesmo de 29 anos a traz, antes ele atendia a gente com todo carinho e atenção e não cobrava nada, ele tinha um imenso prazer em ajudar as pessoas com o seu dons, mais quando fui procurá-lo a um seis meses atrais tomei um susto, ele me disse que resolveria o meu problema desde que mediante a um pagamento, e tive que pagar para ajudar meu sobrinho que estava indo por caminhos errados, você pagou, e resolveu, sim de certa forma deu tudo certo, , quem diria que aquele Pedro uma pessoa tão boa se beneficiaria do seus dons mediúnico para se enriquecer, pois é foi o que aconteceu, carro zero na garagem, mudou todos os moveis da casa e muito mais, em outro ponto do velório outras pessoas comentavam, sei não esse velho tal de Pedro, cobrava tudo até as velas para um trabalho, é eu soube que cobrava muito caro para ajudar, muitos dizem que ele ganhou muito grana naquele centro; Do outro lado da sala do velório uns de seus filhos e filhas

 

comentavam, pessoal eu não quero falar mau, mais de uns tempos para Cá, nosso pai mudou muito eu estranhava suas conversas particulares, eu ouvi dizer que não fazia nenhum trabalho se não fosse pago, é minha irmã eu também fiquei muito chocado com isso; E Pedro assistia tudo calado e chega momentos que batia o arrependimento de ter feito tudo aquilo, e sentia um frio na espinha, só de pensar que se vendeu para ganhar dinheiro sem se importar se a pessoa tinha ou não condições para pagar, era sempre taxativo com todos, eu resolvo mais ira custar tanto, se pagar eu faço, e aquela energia do arrependimento tomava conta do sua consciência cada vez mais forte; chegando o momento de ser sepultado, ele sentiu calafrios e muita tristeza, ele acompanhou o cortejo até a sepultura os preparativos, ouviu as despedidas os choros o carinho de alguns, a reclamação de outros, e finalmente seu corpo foi enterrado, naquele momento sentiu muito medo uma escuridão um sufoca mento, tristeza frio: havia se passado já alguns ,
meses e ele ali ao lado do seu corpo vendo e sentindo seu corpo sendo comido pelos vermes, sentiu nojo, tentou fazer de tudo para mudar aquele episodio, mais se sentiu impotente diante daquele quadro horrível, as vezes ouvia vozes gritando, mercenário você não presta, para você só conta o dinheiro, seu mercenário de uma figa; Pedro sentia frio, fome, sede, ficava desesperado, acalmava, é quando vinha, novamente as vozes, mercenário sem coração, ganancioso, cadê agora seu dinheiro; Num certo momento teve um instante de Luc ides foi quando se deparou em sua casa, viu sua esposa, seu filho, sua nora e netos e depois de alguns anos, ele escutou aquela voz, ola amigo vim te ver, como você esta, vou me apresentar, de onde eu vim todos me conhecem como seu gancho, e você pode me chamar assim; Pedro olhou para ele com espanto, pois era um homem de estrutura muito grande usava uma longa túnica com capuz e seu rosto era apenas uma caveira, mais conhecia aquela voz era muito

 

familiar, e perguntou eu te conheço, não me lembro de você, meu amigo fui eu quem te ajudou a curar aquele infeliz e fiz você ganhar uma boa grana na época; Agora estou me lembrando, então é você que me ajudou todo esse tempo na cura e me fez ganhar muito dinheiro, pois é sou eu mesmo, eu te disse que eu não iria te abandonar, vim te buscar, lembra de nosso trato ta na hora de me pagar, como posso te pagar se estou morto, e todo horrível, calma para onde vamos tem de tudo, você não é o único, e nem sera o primeiro, e você pode mudar seu visual como quiser,com um olhar de espanto, não, não eu não quero deixar minha casa e minha esposa, eu preciso ficar aqui e ajuda La, Pedro, eu não tenho muita paciência, ou você vem comigo ou vai se dar mau, é sua ultima palavra, sim não vou sair agora, bom você é quem sabe, quando você estiver ferrado, ai eu apareço; passou muito tempo ele começou a ficar fraco, muito, muito fraco, a ponto de nem poder se mover para nada e se tornou um inútil, um farrapo, o tempo passou, e ele não sentia mais os sentidos das coisas em sua volta, ele estava sendo sugado por outros seres, que durante muito tempo se beneficiou de suas energias, e ele mau notava, foi quando apareceu, o gancho, cara você ta ruim mesmo vou te levar agora promessa é divida e eu cobro as minhas dividas, e ja te dei a chance que você precisava, vamos você ira trabalhar para mim, mais porque eu, quem falou isso, eu o gancho, quando você precisou eu fiz tua vontades, agora é minha vez de ser servido, e não aceito um não, se você não vim por bem, vai na marra pois promessa é divida e você ainda não pagou nada, vai ter que pagar, ele chamou um pessoal que esta a espreita e disse pode levar esse cara ele me pertence para me servir; Pedro chorou implorou para ficar ali, mais nada

 

adiantou foi levado na marra, e quando chegou, ficou muito assustado um lagar sujo e horrível, disse o seu cobrador você esta em minha casa aqui mando eu, e se prepara para fazer tudo que eu mandar, quando você estava no bem bom, La terra dos vivos, eu te servir agora é tua vês de me servir; e muito tempo se passou, e Pedro sempre trabalhando limpando e sendo escravo para fazer tudo naquele lugar imundo, muitas vezes ouvia dos outros companheiros, seu mercenário, gosta de dinheiro, aqui não precisa de dinheiro, aqui se paga com trabalho; um dia cansado e sentindo em seu ossos o arrependimento, perguntou ao gancho porque quando, porque tudo isso, é como já te esclareci, aqui vem para me servir, todos aqueles que ultrapassa as leis, aqui tem, lideres de muitas religiões, também tem, médicos, terapeutas, místicos e tudo que você possa imaginar; mais eu gostaria de saber, porque quando encarnado, a doença chegou tão rápida em meu corpo e tão silenciosa, ele disse hora era eu quem estava causado aquela doença naquele infeliz, pois ele me traiu e me colocou aqui, eu tava quase conseguindo trazer ele para Cá, foi quando você interferiu no caso; Como aqui nos negociamos de tudo foi me pedido que eu testasse você, e para isso ganharia muitas coisas para o meu reino aqui em baixo e em vês de um servo ganharia mais um, topei odes afio, e você caiu direitinho, como muitos Lá encima, o cara que foi te procurar tinha uma peça reputação, mexia com drogas, matava gente, ou mandava matar, para ele pagar todo aquele dinheiro que para você era muito,veio de fontes criminosa, e de irmãos sofredores, era muito dinheiro, mais para ele não era nada, ai foi dar só um empurrãozinho e você caiu na fraqueza de muitos homens Lá na terra dos vivos, que é o maldito dinheiro, bom você sabe muito bem, que o homem Lá de cima pode tudo e tudo vê e muito mais, aqui não pronunciamos o nome do altíssimo, por uma questão de muito respeito, mais nos também fazemos milagres, eu te ajudei você tirar a doença daquele infeliz, tirando a doença dele,

 

você a ganhou , em outros órgão do corpo, mais posso te dizer que dei um empurrãozinho, para piorar seu estado foi rápido a manifestação, e agora você esta aqui, me servindo; Quantos encarnados se ferra com essa tal de mediunidade, muitos tem que us alas de graça, mais poucos conseguem, com tanto desafios e atrativos, o dinheiro fala mais alto alem de outros vícios, você não acha, depois de ter esclarecido ao Pedro, ele deu uma grande gargalhada de satisfação, mais cara não fique triste, logo aquele que você curou com minha ajudinha, estará aqui fazendo companhia a você e não estará sozinho eu te prometo ja estou providenciando isso, e sou bom no que faço, bom chega de conversa, vai fazer seus afazeres; Pedro não tinha sossego para nada sempre trabalhando, mais num certo momento ele sentiu um remorso tão grande e um arrependimento tão forte que caiu em outro lugar, onde tinha muitos, chorando e lamentado, os erro e
fraques as que não poderão resistir; Pedro Passou-se mais de300 anos nesse lugar, e de tanto orar e pedir, suas preces foram ouvidas, e Pedro foi agraciado pela bondade Divina e resgatado por irmãos, que em sua humildade e bondade, serve de bom coração aos planos superiores no auxilio daqueles que sofrem, e quando a, merecimento e pedido feito como coração sincero, o socorro chega, para seu alivio.


Queridos e amados irmãos terrenos, coloquei o meu relato de experiência terrena e espiritual, para que analisem seus atos, com relação a tudo que esta em sua volta, (Um vintém, faz muita diferença) ame uns aos outros, pois fora da caridade não a salvação, que a paz e amor de Jesus, reine em seus corações, adeus.



Pedro,

Corpo de Luz


Aqueles que gostam de meu trabalho, e querem participar do meu blog, é só sessar o link; http://wwwapenasumcorpodeluz.blogspot.com.br/ .....E fazer parte dessa Família.


Um comentário:

  1. Nossa... sem palavras Erick. Obrigada por postar esse relato. Muita luz e paz.

    ResponderExcluir

Receba nossas atualizações: